até secar

Às vezes eu sinto como se tivesse uma máquina de fazer algodão doce dentro de mim (não necessariamente na minha barriga, mas nela também). Produzindo uma coisa leve e doce, que de tão sutil, desmancha em contato com líquidos. Só que como a máquina está dentro de mim, quase tudo que é produzido desmancha antes que eu possa entregar pra alguém. Mas mesmo assim eu consigo pegar alguns pra dar de presente, mas eles saem meio desajeitados.
Só que… eu tenho medo que não saibam lidar com toda a leveza que o doce tem, e que, por isso, provem um pedacinho e depois joguem num canto e deixem lá, envelhecendo, até secar. Até desaparecer.
(e não teria problema só em simplesmente desaparecer – aliás, não seria nada mal… mas é que é uma pena uma coisa tão gostosa terminar assim.)

preliminares

Hoje eu despendi duas horas do meu dia fazendo canelone. Não sei, mas hoje me deu uma vontade de fazer alguma coisa diferente pra almoçar e quando vi que tinha massa de canelone no congelador, não pensei duas vezes. Procurei algumas receitas na internet, pra ter certeza de que não faria nada errado, mas as receitas eram extremamente prolixas, então resolvi ignorá-las.
Comecei a preparar tudo às 16h30. O canelone estava pronto às 18h30.
Nem carecia dizer que tanto tempo de preparo mandou meu tesão pra longe (mas mesmo assim eu comi e estava gostoso!)

– Então me ocorreu uma coisa: será que é assim que alguns homens se sentem em relação às preliminares?