poda

“Odeio quem me rouba a solidão sem verdadeiramente me oferecer companhia.” (Friedrich Nietzsche)

Estou cortando raízes que considero podres e deixando só as mais fortes, mas eu estou com medo de machucar, tirar algo que não deve. E também estou tirando os galhos secos e tudo que tem de estragado. Não necessariamente feio, porque não quero uma árvore bonita, quero uma árvore saudável.. e às vezes é da natureza da árvore ser feia. A única coisa que não dá vontade de limpar, que dá vontade de deixar no chão, são as folhas secas, porque são bonitas e, de certa forma, decoram o ambiente, quando estão em grande quantidade mas não é o caso. E elas vêm de algo bonito; não estão podres, só secas, não fazem mal a ninguém nem a nada. Elas só estão velhas… mesmo que seja uma só. Então eu penso que vale deixar porque fica de recordação boa e some com o tempo, sem deixar lembrança ruim.

No outono parece estranho porque a árvore parece sem vida, ficam só os galhos… mas a beleza está todinha no chão, compondo.
Só que quando se trata de raízes e frutos estragados não dá.

Mas o que eu estou pensando mesmo, é em replantar em outro lugar, mais fértil, talvez mais bonito, talvez não. O fato de ser outro já faria uma boa diferença.

Crédito da foto: Pedro Manuel Santos