falta entender…

Então um gesto que já se repetia, dessa vez causou impacto, causou reflexo. Talvez porque dessa vez havia a extrema intenção de gerar alguma reação e coincidentemente havia a extrema vontade de sofrer ações. E provocou. Todos os pensamentos, em tempo integral, voltados para o simples gesto, que não foi, nem é nada além de parte de um conjunto. Um gesto que já se repetiu também com outras pessoas. Era um simples comando, era corporal. O gesto tinha intenção, mas não era de paz, como o resto… E que bom que não era pelo menos por enquanto. Porque se fosse de outro jeito as coisas seriam ainda mais complicadas.

Não sei por que, mas em um dia eu estou tão confiante, e no outro estou tão triste… eu ainda quero continuar, talvez por inércia, porque continuar sempre foi mais fácil que parar. Mas a verdade, mesmo, é que eu não deveria acreditar em nada. Nem mesmo no que eu penso que vai acontecer.